Chapeuzinho em Processo

A aluna Christiane Kimura criou a historinha a seguir como um modo de estudar para a prova da disciplina Psicologia dos Processos Cognitivos (2o semestre). Sua forma de estudar foi exposta e discutida durante a aula de Psicologia da Aprendizagem (3o semestre). Confira!




Chapeuzinho Vermelho vivia um confronto (1) dentro de casa com sua vovozinha e resolveu buscar uma solução para isso. Saiu de casa para buscar apoio (2) e encontrou um lobo na floresta que a ajudou a buscar a catarse (3). Chapeuzinho desabafou com o lobo. No entanto ele era mau, o que causou um retraimento (4) em Chapeuzinho. Além do mais ele ficava tirando sarro de Chapeuzinho - dizendo que ela era "fraquinha", o que fez com que ela se lembrasse das críticas da sua vovozinha. Então, muito brava, Chapeuzinho descarregou a raiva agredindo (5) o lobo mau. Só que como ele era maior e mais forte, Chapeuzinho não teve outra opção além de fugir (6). Tentou distrair o lobo: jogou uma pedra contra ele e correu em direção à casa de uma bruxa, pois acreditava que ela conseguiria deter o lobo através de soluções mágicas (7). A bruxa lançou uma magia contra o lobo, que passou a emitir comportamentos estereotipados (8), coçando-se sem parar. Angustiado (9), o lobo foi embora. Algo lhe dizia que ele não possuía mecanismos de defesa suficientes para lutar contra a bruxa.





(1) Confrontação: reconhecer a existência da situação conflituosa ou do problema e lançar-se com determinação em direção à solução racional e deliberada.
(2) Busca de apoio: vai desde a busca para que outra pessoa assuma a responsabilidade de resolver o problema até a busca de opiniões, conselhos, orientações ou da própria psicoterapia.
(3) Busca de catarse: expressão dos sentimentos em relação à situação-problema.
(4) Retraimento ou imobilização: quando as condições de frustração ou de conflito são contínuas e o indivíduo não percebe meios de enfrentá-las com sucesso, sente-se impotente e incapaz de reunir forças necessárias para enfrentar a situação-problema. Nos casos extremos este retraimento pode resultar em apatia e finalmente configurar o transtorno depressivo.
(5) Descarga da raiva por meio da agressão: em geral frente à situação de frustração, surge o sentimento de raiva, que pode ser descarregado por meio de atos agressivos diretos (quando dirigida ao agente da frustração) ou deslocados (quando dirigida a objeto que não tem relação com a situação de frustração).
(6) Fuga ou Esquiva do problema: busca intencional de atividades que desviem o foco de atenção da situação-problema, seja pela distração e protelação, com atividades sem relação com o problema ou pelo uso deliberado de substâncias psicoativas que alteram o estado de consciência e, portanto, desviam o foco de atenção do problema (alcoolismo, tabagismo, drogas, medicamentos, etc).
(7) Adoção de pensamento e soluções mágicas: focalizar e desenvolver fantasias e ações sem relação direta com o enfrentamento do problema como, por exemplo, executar rituais de simpatia.
(8) Emitir comportamentos estereotipados: padrões de comportamento fixos e repetitivos (compulsões) que temporariamente parecem aliviar a ansiedade e a angústia, mas que não solucionam de fato o problema (compulsão em comer, compulsão em coçar-se, lavar-se, roer unhas, etc.).
(9) Angústia: mobilizada por conflitos inconscientes. Aciona os mecanismos de defesa do Ego.

Um comentário:

  1. Parabéns, Chris!
    E eu nem estudei... haha só encaicholei os conceitos durante o aquecimento, nos últimos minutos antes da prova =P

    ResponderExcluir